Cliquez ici pour voir cette page en français.

Os Testemunhos

Eles encontram-se aqui reunidos, no dia 15 Outubro de 1967, no Consulado de Israel em Nova York, o Cônsul acaba de entregar a seus filhos a medalha de ouro dos “Justos das Nações”. Reconhecemos partindo da esquerda para a direita: Sebastião, o Senhor e a Senhora Erzatty, César Mendes, Margarida Rollin, Moisés Elias, o Senhor Cônsul, Joana Mendes, João Paul e Luís Felipe.

Os dois primeiros testemunhos recebidos em Bordéus em Janeiro de 1988 foram os de Sebastião e de César. Sebastião, um dos filhos de Aristides Sousa Mendes, não se encontrava em Bordéus em Junho de 1940, na altura com 17 anos, ele prosseguia os seus estudos em Portugal. Mas dois anos depois, ele fez valer o facto de ter nascido na América, para se alistar no exército americano, com o seu irmão Carlos. Após a vitória e do seu regresso do frente de batalha, no Natal de 1945, foi ele o primeiro a tentar esquecer atitude heróica do seu pai nestas horas trágicas de Junho de 1940.

Em 1951, Sebastião vai tentar escrever um livro: "Flihgt trought Hell" (Fuga através do Inferno) que ele teve dificuldade em divulgar. Em Maio de 1954, depois da morte de seu pai ele vai resumir o essencial esperando encontrar um jornalista que aceite escrever as suas memórias. O seu irmão João Paulo vai ajuda-lo nas diligências feitas aos jornalistas, mas vai ser necessário esperar o ano de 1961 para a publicação dos primeiro artigos nos jornais americanos: "National Jewish Monthly", "Togheter", "San Francisco News"... Joana vai tomar a iniciativa de escrever as pessoas de quem ela se lembra do nome e que foram salvas pelo o seu pai. Uma segunda edição de "Flihgt trought Hell" vai ser publicada em 1968, terá na segunda parte os testemunhos e outros artigos. Essa edição será seguida de um certo número de novos testemunhos recebidos. Por outro lado o 50º aniversário da sua morte e os 60 anos de libertação dos campos de Auschvitz-Birkenau foram uma ocasião de promover os novos testemunhos ou valorizar os testemunhos desconhecidos.

Estes testemunhos são apresentados pela ordem seguinte:

1 – Os que estavam presentes no Consulado em Junho de 1940:

- Pedro Nuno, o filho de Aristides de Sousa Mendes, que se encontrava em Bordéus em Junho de 1940, ele ajudou seu pai a preparar os vistos. (Revista Domingo 23- 01- 05)

- César, o sobrinho do Cônsul, apresentou em Bordéus no mês de Junho dos anos 40, os seus testemunhos foram reunidos num só relato. Ele estava lá, ele participou …

- O Rabino Kruger que tinha deixado a Polónia e tinha acabado de chegar a Bordéus com a sua esposa e os seus seis filhos, ele queria ir ao encontro da sua família nos Estado Unidos. Ele encontrava-se presente no Consulado. (Schmil Goldberg, servia os pobres na cantina Judaica de Lisboa em 1941, onde Aristides tinha vindo pedir esmola).

- Charles Oulmont, Professor na Sorbonne que, para além da sua própria vida e da dá sua esposa, devia-lhe o facto de ter conseguido salvar da destruição todos os manuscritos.
2 –
Os que estavam em Bordéus e receberam os vistos no Consulado em Junho de 1940:
- Otto De Habsbourg tinha obtido os vistos, para ele e para os seus. A pedido de Joana de Sousa Mendes, ele pede ao seu “Justo de Poder”, o Conde Degenfeld que relate os factos (carta de 18 Maio de 1968).

- A Grande Duques Charlotte do Luxembourg tinha também obtido os vistos para ela e para os que a acompanhavam na sua fuga …

- Moisés Elias, tornar-se-á o responsável de YAD VASHEM, ele e a sua esposa devem-lhe a vida.

- Ilja Dijour, tornar-se-á o responsável de UNITED HIAS SERVICE em Nova York (Agencia Mundial das Migrações judaicas) ele e sua esposa devem-lhe a vida. Ele encontrava-se em Bordéus. Ele viu.

- Margarida Galimir (esposa Rollin), filha de Mosco Galimir, que chegou a Hendaye depois da chegada dos alemães, foi obrigada a voltar para Bordéus, levando com ela um passaporte falso, eles foram obrigados a permanecer em Bordéus até Maio de 1941, data em que munidos de um visto americano, puderam legalmente partir para América. Presente durante mais de 15 dias no Consulado. Ela viu.

Nesse mesmo dia de 15 Outubro de 1967, uma foto diferente mostra-nos o Rabino Kruger no meio de César Mendes e o Cônsul Geral de Israel, podemos reconhecer também a direita João Paulo e a esquerda Sebastião, Luís Felipe, Harry Ezratti e Moisés Elias.

**************************************************

Na cerimónia deste 15 Outubro de 1967, mais uma foto que nos mostra o Cônsul
Geral, lendo a homenagem de Yad Vashem. No meio de Joana e Teresinha os sobrinhos ainda pequenos: Aristides, Geralyn e Carolyn, depois Luís Felipe, e a sua esquerda: João Paulo e César.

3 – Os que foram ao "Passal" em Cabanas de Viriato (Portugal)
- Sebastião, seu filho prosseguia os seus estudos em Portugal, Luis Felipe.

E os Vizinhos do Passal : Antonio Borges Silva et José Martins

  os quais viviam em Cabanas de Viriato, onde passaram tantos refugiados, salvos por Sousa Mendes, vizinhos e amigos dos filhos de Sousa Mendes.

$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$áá ííóóóúúúúáááá ííííí úúú ááá $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$