Cliquez ici pour voir cette page en français.

  Pedagogia ...

Foisempre a preocupação da Fundação:

  1995 - 1 °- Um Concurso "Aristides de Sousa Mendes" foi organizado em todas as escolas Visando os alunos dos 1º e 2º ciclos do ensino básico e destinado a recordar a acção daquele Cônsul na protecção dos direitos humanos, durante a 2ª Guerra Mundial (Fevereiro 95 a Dezembro de 96). Foi a 1ra Experiência de Maria Barroso, antes da homenagem de Lisboa e de Portugal.

GUIÃO DE EXPLORACÃO PEDAGOGICA

ARISTIDES DE SOUSA MENDES
O CÔNSUL INJUSTIÇADO

Instituto de Inovação Educational :
Carregar aqui :
zdocasm.pdf

Publico preferential : Professores e alunos do 9° ano - 3°Ciclo do Ensino Basico
Professores e alunos do 1, da 2° ano - Ensino Secundario

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Mensagem de Sua Excelência o Senhor Ministro da Educação
à laia de Prefácio do Documente de Março 2000.

Heroís não são apenas os que lutam nos campos de batalha ou que vivem aventuras empolgantes. Heroí é tambem o homem que, correndo contra o tempo, assina vistos de trânsito a milhares de judeus em fuga - numa França ocupada pelos alemães, contra a ordem expressa do ditador e sabendo que seria alto o preço a pagar por essa desobediência.

Aristides de Sousa Mendes é uma figura marcante da modernidade : ao conforto da sua vida pessoal e familiar, ao sucesso da sua carreira diplomática contrapôs a defesa dos valores da solidariedade, do respeito pela diferrença e, sobretudo, os valores impostos pela sua consciência de citadão.

Assim homenagear Aristides de Sousa Mendes é procurar seguir o seu exemplo. Devo, pois, afirmar junto das gerações mais jovens a relevância deste exemplo de vida e de serviço. Ser-se cidadão livre e responsável hoje é tomar consciência de quem precisa de solidariedade e quem precisa de apoio e de respeito. O valor da dignidade humana tem de ser, assim realçado contra a indiferença e o egoísmo.


e da Senhora Presidente da Fundação Aristide de Sousa Mendes

"É importante dar a conhecer aos jovens, aqueles que marcaram a nossa História com a sua acção generosa e de grande coragem. Aristides de Sousa Mendes é um deles.

"Cônsul em Bordéus, escreveu ela, não ficou indiferente à angústia de milhares de seres humanos que procuravam fugir ao terror dos campos de campos de concentração nazis.

Em vez de ser premiado é demitido e condenado à miséria; com sua mulher e os seus 12 filhos.
"Portugal, hoje país livre e democrático, quis reparar a grande injusticia cometida então. Ésobretudo quer fazer chegar às escolas a aventura maravilhosa destegrande diplomate cuja acção deve ser conhecida e tomada como exemplo de coragem moral, e civica.
Por isso fica, numa linguagem simples e acessivel aos mais novos, a historia de Aristides de Sousa Mendes.


¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

História de Aristides de Sousa Mendes.
1995 - Documentação fornecida pelo Ministério da Educação

- A Vida
- A reabilitação
- Reclamação à Assembleia Nacional de Aristides Sousa Mendes

Vida

Aristides de Sousa Mendes nasceu a 19 de Julho de 1885, em Cabanas de Viriato, perto de Mangualde. Em 1910, iniciou a sua carreira de diplomata em Demerara, na Guiana Inglesa, seguindo-se, no ano seguinte, a colocação em Zanzibar, na Índia. Em 1918, exerceu funções em Curitiba, no Brasil, das quais foi suspenso, acusado de ser anti-republicano e anti-democrata. Passados dois anos, a pena foi-lhe levantada e Aristides apareceu colocado em S. Francisco, EUA, onde ganhou a animosidade de elementos da comunidade portuguesa, acusados pelo diplomata de favorecimento próprio à custa dos seus compatriotas. Aristides voltou então para o Brasil, onde permaneceu até ao golpe do 28 de Maio de 1926. Chamado a Portugal, seguiu no ano seguinte para Vigo, Espanha, e, depois, para Antuérpia, Bélgica, onde foi condecorado por duas vezes pelo rei Leopoldo III com as insígnias de Oficial da Ordem de Leopoldo e de Comendador da Ordem da Coroa. Entretanto, casou com uma prima, de quem teve 14 filhos. Em 1938, foi transferido para o consulado de Bordéus, França, onde se desenrolaram os acontecimentos que haveriam de transformar a sua vida.

Em 1940, perante o avanço das forças nazis em França, Aristides de Sousa Mendes e à revelia das ordens de Salazar, passou milhares de vistos que permitiram a cerca de 30 mil perseguidos do nazismo, dos quais 10 mil judeus, alcançar Portugal e daqui os EUA.

A acção decorreu durante três dias e prolongou-se por Baiona e Hendaia onde, nesta terra fronteiriça, ainda conseguiu fazer passar uma coluna de mil refugiados, apesar das indicações dadas aos guardas espanhóis de não validade dos vistos passados pelo diplomata português.

A sua atitude mereceu a condenação de Salazar, que ordenou o seu regresso imediato a Portugal e lhe mandou instaurar um processo disciplinar sob a acusação de "desobediência, falsificação de escritos, abandono de lugar e concussão'. Aristides ainda se defendeu junto da Assembleia Nacional, mas o veredicto foi implacável. Em Outubro de 1940, foi condenado à "pena de um ano de inactividade com direito a metade do vencimento de categoria, devendo em seguida ser aposentado".

O diplomata conheceu então grandes dificuldades que o levaram a perder a família que se dispersou por diversos países e a ter de vender o património. Em 1954, no Hospital da Ordem Terceira, encontrou a morte depois de uma prolongada doença e muitos anos de uma vida próxima da miséria.

 Reclamação à Assembleia Nacional

Tendo-lhe sido enviadas instruções pelo ministro dos Negócios Estrangeiros sobre os vistos em passaportes, essas instruções continham numa alínea a proibição absoluta de os dar aos israelitas, sem discriminação de nacionalidade. Tratando-se de milhares de pessoas de religião judaica, de todos os países invadidos, já perseguidos na Alemanha e noutros países seus forçados aderentes, entendeu o reclamante que não devia obedecer àquela proibição por a considerar inconstitucional em virtude do art.' 8.% n.º 3, que garante a liberdade e inviolabilidade de crenças, não permitindo que ninguém seja perseguido por causa de/as, nem obrigado a responder acerca da religião que professa, medida de que aliás se lhe tornava necessária para saber a religião dos impetrantes, e assim negar ou conceder visto.

Em resumo, a atitude do Governo português foi inconstitucional, anti-neutral e contrária aos sentimentos de humanidade, e, portanto, insofismavelmente "contra a Nação".

A reabilitação

Aristides de Sousa Mendes manteve-se 'esquecido' das autoridades portuguesas até ao 25 de Abril de 1974 , apesar das iniciativas da família no sentido de reabilitar o seu nome. De facto, só depois da Revolução dos Cravos o processo foi aberto mas, mesmo assim, só em 1986, e perante novas insistências de familiares, jornalistas e, inclusivamente, de um congressista americano de ascendência lusa, foi aprovado pela Assembleia da República o diploma de reabilitação e concedidas, pelo Presidente da República, Mário Soares, as Ordens da Liberdade e de Cristo.

A nível internacional, o reconhecimento da sua atitude foi muito mais célere. Em Israel foram plantadas, em 1961, 2C árvores em memória de Aristides de Sousa Mendes, uma Floresta dos Mártires, em Jerusalém, frente ao Museu do Holocausto. Seis anos mais tarde, foi entregue à família do diplomata pelas autoridades israelitas a mais alta distinção de Yad Vashem (Autoridade para a Recordação dos Mártires dc Holocausto) com a seguinte inscrição do Talmude: "Quem salva uma vida humana é como se salvasse o mundo inteiro"

Por ocasião do quadragésimo aniversário da sua morte, sucederam-se as homenagens: distinção no Congresso em Washington, nomes de rua e bustos no Canadá, na Bélgica e em França e, segundo o neto, "onze mil árvores plantadas", o ano passado (1994), no deserto de Neguev. Uma árvore por cada refugiado salvo pele meu avô". Documentação fornecida pelo Ministério da Educação

  

2000 -Edição de Aristides de Sousa Mendes

um HeroïPortuguês

Documentopedagogico de 30 paginas, com edição da BD traduzida emportuguês (ediçõesgotado). Redacção de AntonioMate, João Mario Mascarenhas,Natércia Fialho.
Daqui a pouco tencionamos dar-vos aqui a c
ópia da totalidade do Documento.

Objectivos Gerais do Documento 2000

- 1. Manifestar espírito crítico, a partir da análise de actuações concretas de indivíduos ou grupos.
- 2. Desenvolver o raciocínio moral a partir da análise das acções dos agentes históricos.
- 3. Promover os valores da tolerância, coragem e justiça.
- 4. Empenhar-se na defesa dos Direitos Humanos, manifestando atitudes de solidariedade em relação a outros indivíduos, povas e culturas.
- 5. Compreender o papel dos indivíduos, povos e culturas.
- 6. Relacionar a História universal com a História nacional.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

____Conceptualização no Programa____

Objectivos Especificos


ano

- Tema:
--"Os anos da Ditadura"

---Unidade didàctica :
"A Oposiçõ ao regime"

1 Identificar Aristides de Sousa Mendes como Cônsul de
Portugal em Bordéus, ao tempo da 2a Guerra Mundial.
2 -Conhecer a sua actuação em relação aos refugiados
------de Guerra.
3 - Identificar sumariamente os dois blocos em conflito
------na 2a Guerra Mundial.
4 - Conhecer a posição neste conflito.
5 - Identificar Lisboa como ponte de passagem dos refu-
------giados de guerra.


"Da Grande Depressão à
-----segunda Guerra Mundial"

Unidade didáctica:
"A Segunda Guerra Mundial"

1 - Conhecer a posição de Portugal face aos blocos em
----conflito na 2a Guerra Mundial.
2 - Reconhecer o valor estratégico de Lisboa como
----ponte de passagem dos refugiados de guerra em
----direcção ao continente americano.
3 - Contextualizar na História nacional e internacional a
----intervenção do Cônsul Aristides de Sousa Mendes.
4 - Avaliar o sentido humanitário da actuação de
-----Aristides de Sousa Mendes.
5 - Conhecer o processo de reabilitação de Aristides de
---- Sousa Mendes.
12°
ano
TEMA :
"A evolução politica no mundo
industrializado no sec.XX, até à
eclosão da Secunda Guerra
Mundial; dificuldades das demo-
cracias liberais; o afrontamento
das novas ideologias"

Unidade didáctica:
"Genese e implantação do
Fascismo"

1 - Integrar o desempenho de Aristides de Sousa Mendes
-----no contexto político nacional e internacional da 2°
-----Guerra Mundial.

2 - Compreender o valor estratègico de Lisboa no percurso
-----dos refugiados de guerra em direcção à América.

3 - Avaliar as consequências da desobediência moral para
-----Aristides de Sousa Mendes.

)

)

)


ARISTIDES DE SOUSA MENDES
de Amaral e Abranches,

nasceu a 19 de julho de 1885 em
Cabanas de Viriato (Carregal do Sal),
no seio duma famililia aristocratica.
Era filho do juiz José de Sousa Mendes
e de Maria Angelina Ribeiro

de Abranches Castelo Branco.

Tal como o seu irmão gémeo, César, licenciou-se em Direito, na Universidade de Coimbra, em 1907. Casou com Angelina de Sousa Mendes, da qual teria 14 filhos.
Em 1910 ingressou na carreira diplomática.
(R.A.p.22-23)
Foi Consul em Demerara (Guiana Britânica), Zanzibar (Africa Oriental Britânica), Curitiba (Brasil), Vigo (Galiza - Espanha), Antuérpia (Bélgica) e Bordéus (França).

Nesta cidade a partir do 1 de Agosto de 1938 (R.A.23). "O que dele se sabe como homem é que era católico conservador, de simpatias monárquicas , determinado nas suas opçoes e chefe de familia extremoso que defrontava o trabalho e as dificuldades materiais para que o pão e a educação não faltassem aos seus
numerosos filhos"
(Granada,1995:10).

~~~~~~~~~~~~~~

  A Europa em Guerra
A 1 de setembro de 1939, os exercitos de Hitler invadem a Polónia, perante uma Europa estarrecida. A Grã-Bretanha e a França reagem e declaram guerra à Alemanha nazi. Tinha inicio a II Guerra Mundial, que se prolongaria por seis longos anos, até 1945 (Maio, na Europa e Agosto na Asia /Japão.)

A 13 de Maio de 1940, o território francês é tomado de assalto pelos blindades "Panzer" através da tecnica da "Guerra relampago"(Blitzkrieg) esmagando tudo na sua passagem.

A 17 de Junho do mesmo ano, o marechal Petain anunciava aos francêses a intenção de apresentar a rendição. A 18 de Londres, onde se refugiara, o general De Gaule, dirigese aos franceses exortando-os a lutarem contre o invasor e contra a resignação: "Soldados da França" exclama aos microfones de BBC (Radio oficial britanica) "onde quer que estejais erguei-vos!". Assim, "os melhores dos franceses recusavam submeter-se à nova ordem e formavam o exército secreto da Resistência. Os outros - muitos outros - alienavam a dignidade em troca da sobrevivência colaboracionista" (Martins,1996:9).

Invasãoda Austria: Março 1938 - Outobro 1938 : Pais dos Sudetes -
Março 1939 : Checoslovaquia - Polonia: Setembro 1939


Mapa tirado de : "ARISTIDESDE SOUSA MENDES -O CONSUL INJUSTIÇADO"
Guião de Exploração pedagogica..

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~



~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

  )

)

Campos de concentração e ghettos (zonas populacionais delimitadas onde os judeus eram obrigados a residir). Dos 65 campos d'exterminio criados pelos nazis na Europa, os mais tristemente afamados foram os de Auschwitz, Trablinka e Dachau.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Centenas de milhardes de refugiados escapuliram-se para a fronteira franco-espanhola na esperança de se salvarem. Para muitas, e em special para os judeus, não havia fuga possivel.
Franco, o ditador fasciste chefiava uma Espanha acabada de sair da guerra civil, e encerrara a frontiera com a França, pois não queria ver-se a braços com os refugiados. Alguns destes, em desespero, chegaram a suicidar-se.
Embora se tenha mantido formalmente neutro, Salazar simpatizava e cooperava com o Eixo (Aliança da Alemanha nazi com a itália fascista).Em 1939, Salazar, com a data de 11 de Novembro emitiu a Circular n°14, onde determinava que: sem consulta às autoridades portuguesas, não podia passar vistos a "estangeiros de nacionalidade indifinida, contestada ou em litígio, apatridas, portadores de passaportes Nansen [pessoas suspeitas de actividades anti-nazis]; estrangeiros que apresentem nos seus passaportes sinal de não poderem regressar ao país de onde provêm, estrangeiros sem meios de subsistência, judeus expulsos dos países da sua nacionalidade ou daqueles de onde provêm...
(Afonso, Injustiça: 59-60).

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Humanidade e ... castigo


Jovens réfugiados a salvo nos E.U.A.
   O filho de César - o Irmão gémio de Aristides,  ministro dos Negócios Estrangeiros de Salazar encontrava-se em Bordéus nesses dias cinzentos. Registou a fala amargurado do tio: Não posso permitir que estas pessoas morram. Muitas delas são judéus e a nossa Constitução diz que a religião ou a política de um estrangeiro naõ devem ser usadas para lhes recusar o refugio em Portugal" (Granada 1995 : 11).

  Aludia ao artigo 8°, N°3, da Constitução de 1933, que instituiu o Estado Novo, mas que garantia no texto "a liberdade e inviolabilidade de crenças, não permitindo que ninguem seja perseguido por causa delas, nem obrigado a responder acerca da religião que professa.
Ante o drama dos refugiados e a ordem de Salazar, A.S.Mendes enveredou pela "desobediência moral", ou seja, "o dever de desobedecer que assiste aos funcionários e agentes da Administraçõ pùblica, quando a ordem não reùna todos os requisitos legais" (Melo, 1998.4). Como ele mais tarde lembrará : Decidi seguir este princípio mesmo que seja destituido".
Devo agir "como cristão, como manda a minha consciência"
(Granada,1995:11).

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~


A familia de Aristides de Sousa Mendes, em Cabanas de Viriato em 1929

Durante trés dias, 17, 18, e 19 de junho de 1940, quase sem dormir, Aristides Sousa Mendes, com a ajuda da mulher , do filho Pedro Nuno, e do funtionario consular José da Silva Ferreira de Seabra, atenderam milhares de pessoas, tomadas pelo medo, que formavam longas filas nas escadas, dentro o edifício de Legação e fora deste, narua, comprimindo-se com esperança do almejado visto. Embora não se tenham dado ao trabalho de os contar, terão passado mais de trinte mil vistos de trânsito, o que talvez tenha significado a salvação de mais de dez mil judeus da morte nos campos de concentração nazis (Afonso, 1995 :105 - 103). Ofereceram-lhe grandes quantidades de dinheiro, joias, peças de ouro...O Cônsul portuguès nada aceitou (Granada, 1995: 11).
D. Angelina , sua mulher, como podia, ia cuidando, no consulado e na resi^encia, do mais doentes das crianças, dos idosos
(R.Afonso - Injustiça : 16).

Este citação de Rui Afonso tirada do livro de Sebastião "Flight trough Hell" (1951) página 56.

~~~~~~~~~~~~~~~


Forno crematório em campo de concentração
__Solicitado pelo Vice-Cônsul de Bayonne, Aristides de Sousa Mendes deslocou-se a esta localidade francesa já perto da Zspanha. O Cônsul de Bordéus ficou surpreendido: milhares de refugiados esperavam junto ao nosso consulado vistos de entrada em Portugal.
Autoritário, entrou no edificio e exclamou para os funcionários : Ainda sou vosso superior, pois não fui destituído, passa vistos a quem os solicitar !"
(R.Af 95 :131). Acto continuo, pôs-se a passar vistos, ajudado pelo funcionário consular Manuel Braga. Tudo em simples papeis carimbados em que escrevia: "O Governo Português requer ao Governo Espanhol a cortesia de permitir ao portador circular livremente por Espanha. Ele é refugiado do conflito europeu e está a caminho de Portugal"(Granada, 1995 :11). Esteve um dia inteiro em Baiona neste missão humanitária.

Quando o Governo de Lisboa soube da atitude do seu cônsul-geral em Bordéus, enviou a toda a pressa dois agentes, ordenando o regresso de A.S.Mendes a Portugal. Acompanhado da familia o cônsul acatou a ordem, mas ao passarem por Hendaya já quase a entrar em Espanha, foi de novo surpreendido ; muitas centenas de refugiados apinhavam-se na zona da fronteira : O Governo Espanhol recebera informação de que os vistos emitidos pelo cônsul português não eram válidos... Desembaraçando-se dos agentes não desistiu. "Pediu aos refugiados que o seguissem. Formou-se uma grande caravana automóvel até um outro posto fronteiriço. Falando com energia e convicção aos guardas espanhóis, conseguiu a passagem de mil refugiados ! (Granada 1995;11). (Ver Histoire en question n°1)

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


O Passal em Cabanas de Viriato, jà em estado adiantado de degradação


O consul português Bordéus Aristides de Sousa Mendes, emitiu vistos de trânsito para milhares de judeus refugiados, em transgressão das regras do seu governo - o que constituí talvez a maior acção de salvamento feita por uma
só pessoa durante o Holocausto ( Yeyuda Bauer, 1982, p. 228 )

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

__

A nota de culpa, datada de 3 de Agosto de 1940, emitida por Salazar, não deixa duvidas, a ninguem, muito menos a Sousa Mendes:
"Desafiando as ordens do Governo, o diplomato passou vistos não autorizados. Portanto desobedeceu".

   O que aconteceu depois foi no minimo injusto. O homem que em Bordéus livrou da persegição nazi e da morte certa milhares de refugiados, viu a sua carreira dediplomata acabar, de forma drástica, sem que pudesse argumentar com a angùstia dos perseguidos.

   Ficou até à morte na situação de "disponibilidade" com grande corte no vencimento.

_ _Tambem foi impedido de exercer a actividade de advogado.
Aos poucos, a sua sacrificada familia, agora de doze filhos (dois haviam falecido),

vendeu bens e dispersou-se,por vários paises, para ganhar a vida.

A 3 de Abril 1954 Aristides de Sousa Mendes morria aos 69 anos, sozinho, indigente, numa cama do Hospital da Ordem Terceira, em Lisboa.

Como muito bem esceveu Novais Granada, em resumo trágico :
"De mal com os homens por amor aos homens" (Granada, 1996: 11)

########################################################

No documento publicado em 2.000, as páginas 17 a 21 estavam utilisadas para apresentar a BD contando tudo o que se tinha passado em Bordéus e Baiona, neste mês de Junho de 1940.
Mas estas páginas eram o suplemento duma BD muito mais importante, que contava tudo o que se tinha passado em Bordéus nesta mesma altura. De maneira que quando a nossa BD apareceu a primeira vez no site
www.SousaMendes.com sentimos a necessidade de apresentar um resumo desta BD : "Bordeaux dans la Tourmente".
Agora este resumo constitue a primeira parte da nossa BD
www.SousaMendes.com/zbd.htm

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Fugindo o avanço dos Alemães em França, uma onda de refugiados rumam para o sul e repartem-se na cidade de Bordéus.

~~~~

Consideremos a posição geográfica do cônsulado de Portugal em Bordéus : situa-se no centro da cidade repleta de refugiados vindos de toda a Europa.

- O que é que se passou aí,
nesta metade do mês de junho de 1940
www.SousaMendes.com/zbd.htm

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Outros diplomatas com acção humanitária

O diplomata Sampaio Garrido representava Portugal junto do governo de Budapeste, com o posto de ministro plenipotenciário desde Outobro de 1939 quando, a 16 de Março de 1944, Hitler, ordonou a invasão da até então aliada Hungria. Esta invasão levou a Hungria , tal como antes a todos os paises ocupados pela Alemanha, a ghettização e a deportação e internamento em campos de concentração/exterminio dos judéus hùngaros, conduzidas pelo nazi Eichmann.

Para além deste diplomata outros houve, tais como José Luís Archer em Paris, o cônsul-honorário, Lencastres e Menezes - o primeiro a ver revogados os seus direitos consulares, por alegadamento conceder passaportes portugueses a judeu da Àustria - e ainda, o cônsul-geral em Hamburgo, que forneceu vistos a judeus, por iniciativa própria. Todos eles foram, de uma forma ou outra castigados por Salazar. O cônsul-honorário em Milão, Giuseppe Magno, também concedeu vistos sem autorização do MNE, sendo por isso exonerado (Milgram, 1999:54-63).

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

REABILITAÇÃO

A reabilitação demorou muito tempo...Em Portugal ninguém falava disso. Também ninguém mencionava o nome de Sousa Mendes no resto do mundo. Tantos refugiados salvos pela desobediência de Sousa Mendes, não podiam imaginar o que se tinha passado. Os filhos de Sousa Mendes tinham sofrido as consequências da perseguição a que o pai fora sujeito. Todos tinham  ficados traumatizados com a tragédia...Tinham visto o pai aceitar o seu destino, também queriam perdoar e esquecer. A vida tinha que continuar.

Mas a injustiça continuava a fazer sofrer dois dos seus filhos: Joana e Sebastião. Ambos tentaram, fazer funcionar as engrenagens da Justiça...

(No site : Rehabilitação, e a seguir uma breve Bibliografia www.SousaMendes.com/zrehab.htm ).

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Proposta de Trabalho pelos alunos

6° Ano : 1 Identificar Aristides de Sousa Mendes como Cônsul de Portugal em Bordéus,
ao tempo da 2a Guerra Mundial.
2 -Conhecer a sua actuação em relação aos refugiados de Guerra.
3 - Identificar sumariamente os dois blocos em conflito na 2a Guerra Mundial.
4 - Conhecer a posição neste conflito.
5 - Identificar Lisboa como ponte de passagem dos refugiados de guerra.

Três Páginas ao seu dispor: www.SousaMendes.com/zalunos_6ano.htm

=========================================

9° Ano : 1 - Conhecer a posição de Portugal face aos blocos em conflito na 2a Guerra Mundial.
2 - Reconhecer o valor estratégico de Lisboa como ponte de passagem dos refugiados de guerra em
direcção ao continente americano.
3 - Contextualizar na História nacional e internacional a intervenção do Cônsul Aristides de Sousa Mendes.
4 - Avaliar o sentido humanitário da actuação de Aristides de Sousa Mendes.
5 - Conhecer o processo de reabilitação de Aristides de Sousa Mendes.

Três páginas ao seu dispor: www.SousaMendes.com/zalunos_9ano.htm

=========================================

_

Proposta de Trabalho - 12° AN0

Consciente da extenção do programa de disciplina de História do 12° ano, bem como das modalidades de avaliação específicas que implicam uma diminução do ano lectivo, sabemos que não resta aos professores margem para a abordagem de novos elementos.
Contudo, tratando-se de um programa que propõe aos alunos uma reflexão, e, por outro lado, sublinha uma aproximação ao mundo contemporâneo, julgamos oportuno sugerir a realização de um trabalho de pesquisa que por um lado permita ao aluno a diversificação de experiências de aprendizagem e, por outro lado, uma reflexão sobre valores éticos, cívicos e políticos.

A Area-Escola ou o Trabalho de Projecto, apresentam-se também como espaços privilegiados para uma possivel investigação/reflexéao sobre a figura do Cônsul Aristides de Sousa Mendes em articulação com a linha de conteudos contemplada no programa privilegiando assim o estudo da História de Portugal.

Desta forma, sugerimos a realização de trabalhos de grupo, sessões de exposições/debates, painéis e mesas redondas, colocando os alunos em situações de comunicação que favoreçam uma reflexão critica, não apenas sobre a actuaçao dos agentes históricos no passado mas sobre o mundo actual.

Audição do REQUIEM em Memória de ARISTIDES deSOUSA MENDES, do Maestro Luís Cipriano, gravado ao vivo em 20 de Outobro de 1998, com o Côro Misto da Covilhã e a Orquestra Sinfónica da E.P.A.B.I.
Public-art Editora 3040 Coimbra - Assafarge

__________________________EXPOSIÇÃO E VIDEO______________________


A Biblioteca-Museu Repùblica e Resistência da C.M. Lisboa, tem à disposição das escolas, uma exposição itinerante e um video didáctico sobre Aristides de Sousa Mendes, bem como a disponibilidade do seu Director para proferir palestra sobre o Cônsul de Bordéus - Morada: Estrada de Benfica, 419 - Tel.: 21 774 24 02/3 - Linha Directa; 21 790 11 27 Fax: 21 778 26 81 & e-mail : cmlresistencia@telepac.pt

O comité National Français tem à disposição das escolas e cidades :
Uma EXPOSITION em françês (cf
Comité) com 14 Painels e K7 Vidéo : " Le Consul proscrit", bem .como a disponibilidade do seu Presidente para proferir palestra sobre o Cônsul de Bordéus - Comité Aristides de Sousa Mendes 14 Cours Journu Aubert -  33.000 Bordeaux - Tel. 05 56 291 564 -

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

Este documento foi editado no ano 2000 - Uma iniciativa de:

- APIS MUNDI - Solidariedade & Desenvolvimento
- C.M.LISBOA - Biblioteca-Museu Rep
ùblica e Resistência
- Fundação ARISTIDES DE SOUSA MENDES
- PRO DIGNITATE - Fundação de Direitos Humanos

==========================================================================